Arquivo da tag: dilma

O fim do Estado de direito

As regras democráticas são resultado de amplas lutas afim de construir protocolos de convivência comum entre interesses e visão de mundo diferentes dentro da sociedade. Sem isso, vale a lei do mais forte. Essas regras são transformadas em lei, não antes de passar pelo jogo de forças e interesses envolvidos nas lutas, no congresso nacional, onde são finalizadas. São, portanto, a síntese possível das disputas em voga na sociedade em determinado período.

Na vida real, no entanto, as leis não são para todos. Para fazer valer os interesses de classe, muitas vezes, passa-se por cima da lei sem que isso traga consequências para quem o faz. O que importa no final das contas é a posição que você ocupa ou ao lado que quem você caminha. No jogo político das grandes estruturas de poder, isso fica claro. Taí o Cunha solto e o Aécio sem nenhum processo de investigação recente, apesar dos dois terem comprovadamente contas em paraísos fiscais europeus.

“As leis não bastam, os lírios não nascem da lei” – Drummond

Quando a disputa política ultrapassa as fronteiras da lei, ou das regras que foram antes estabelecidas, como estamos assistindo nesse caso dos vazamentos dos grampos e delações, a luta passa a ser só da política nua e crua.  Não tem mais estado de direito. Esse  terá que ser reconstruído ao fim dessa batalha, com um novo conjunto de regras combinadas entre as forças que sobreviverem ao processo. A disputa agora é por versões dos fatos, feita por quem tem mais gente envolvida ou atingida por suas ações de comunicação e política. Nesse aspecto a rua é um importante fator a ser considerado, assim como as relações internacionais, capaz de pressionar setores adeptos ao golpe a recuarem.

A direita nunca teve pudor de romper com as leis para alcançar os seus objetivos. Isso é coisa da esquerda. Os meios sempre justificaram os fins.

Acredito que sofreríamos uma ação golpista como essa que estamos sofrendo agora, independente de termos encarado alguns debates que deveríamos ter encarado, como a democratização das comunicações, a ampliação da reforma agrária, as relações de trabalho dos profissionais de saúde e seu financiamento e, principalmente, a quantidade enorme de recursos públicos que vão parar nas mãos de pequenos grupos através do pagamento de juros, lesando assim a possibilidade de melhorar os serviços que o Estado presta.

Tenho acreditado muito no limite da distribuição de renda, feita através do reformismo fraco petista, como causa para a crise. Esse limite, com desemprego baixo e renda do trabalhador em ascensão é o motivo principal da crise que vivemos. Além disso, ainda temos o pré-sal, nas mãos da Petrobras, ferindo assim os interesses dos grandes grupos internacionais. Isso sem falar na articulação internacional do G20 e, principalmente, dos BRICS, desafiando o poder totalitário dos EUA.

Esses são os motivos para o golpe, articulado desde 2005, visando tirar do poder o mínimo de equilíbrio social que o petismo significa, e feito através das “novas” táticas de desestabilização de Estados não alinhados, chamadas de revoluções de veludo ou golpes suaves.

Agora, precisamos pensar a resistência, que não vai passar pelas leis, essas não mais bastam.

Bem vindos à luta de classes.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em crise, Dilma, golpismo, PT

Golpe suave no Brasil

No livro “Os últimos soldados da Guerra Fria”, Fernando Morais nos conta a história de um grupo de cubanos que vão para Miami se infiltrar na rede de terrorismo construída nos EUA para tentar desestabilizar o regime da Ilha. Esses caras eram, na sua maioria, militares cubanos dispostos a se sacrificarem em busca de respostas e soluções para proteger seu pequeno país, que ousou sonhar e conquistou uma vida diferente dos seus irmãos latinoamericanos. O regime, sem a mãe Rússia protegendo, corria sérios riscos e, sabendo disso, o governo cubano usou da melhor arma que tinha à mão: a inteligência. Com isso, conseguiu criar esquema de contraespionagem que denunciou o esquema terrorista para o mundo conseguindo assim neutralizá-lo.

Não é novidade que existem, hoje, no mundo, forças nãotãoocultasassim que se especializaram em desestabilizar governos mundo a fora. Exemplos de belos textos sobre o assunto temos aos montes. São os chamados golpes de veludo. Existem exemplos deles no leste europeu e, parece, agiram bem durante a chamada primavera árabe. Desconfiamos (porque me incluo naqueles que se negam a acreditar em protagonismo espontâneo de pessoas desorganizadas) que atuaram com as mesmas táticas por aqui durante o famoso “Junho de 2013”. Continuam atuando, na verdade. A notícia de que o próprio Moro foi “treinado” nos EUA, não surpreende. O mesmo vale para o Kim ou para aquela menina bonita da Nicarágua.

O mundo contemporâneo não aceita mais tanques de guerra ou assalto armado aos palácios dos governos. Pelo menos não no ocidente. Os golpes estão mais sofisticados. E mais sofisticada deve ser a resistência. Não podemos mais cair no debate fácil da corrupção, como já disse antes e mais de uma vez. Sabemos que esse é um assunto que tem apelo na população e por isso é constantemente utilizado como pretexto para ações nada republicanas como a que estamos assistindo. É preciso esvaziar esse debate de uma vez.

As ações parecem muito bem orquestradas e tem um timming difícil de acompanhar. Se o outro lado (nós, os democratas, de esquerda que buscamos um mundo menos injusto) faz um movimento, eles (os golpistas) já apresentam uma novidade, um vazamento, uma ação judicial. Isso explica os vazamentos dos grampos, que não apresentam nenhum crime, mas criam o mal estar: o grande líder falou um palavrão? Porra, mandou o juiz enfiar o processo no cu? Óóó!, diz a turba de idiotas que mandaram a presidenta tomar no cu em um passado recente. Pronto, está criada a convulsão social, passada dia e noite em rádio e TV, enquanto os interesses da república são subtraídos em tenebrosas transações (obrigado, Chico).

Por isso, acho que o golpe em curso no país não está isolado de outros lugares do mundo. Há pouco tempo foi confirmada a participação dos EUA nos golpes na América Latina nas décadas de 1960 e 1970. Isso sem falar em ter que esperar 50 anos para a Rede Globo admitir a participação e apoio ao golpe de 1964. Será que teremos que esperar mais algumas décadas para perceber o que está acontecendo agora?

paulista.jpgA reação se faz necessária e imediata. Com todas as armas que temos na mão. Necessário, nesse momento, internacionalizar ao máximo o debate a respeito do que acontece aqui, afim de fortalecer a ordem democrática. Acredito que a pressão internacional, pode fazer os golpistas recuarem. Para isso, precisamos de muitos atos de rua, com muita gente. Os atos de ontem foram uma bela prova dessa força que precisamos, mas talvez não sejam suficientes.

Precisamos também de uma denúncia formal, por parte do governo aos órgãos internacionais para que acompanhem a situação aqui: ONU, OEA, Anistia Internacional e afins. O momento pede o máximo de forças que se puder aglutinar e essas entidades podem dar uma força.

Só com a normalidade democrática restituída, podemos retomar a disputa de um governo que, para não sofrer o golpe que está sofrendo agora, cedeu em quase tudo buscando uma governabilidade perdida. Por mais que o governo e o PT cedam, jamais se recuperará a colaboração de classes de um projeto de diminuição das desigualdades. Simplesmente porque isso não existe mais. Como mostra Ávila, não existem possibilidades de ultrapassar certos limites da relação entre taxa de emprego baixa e renda do trabalhador alta, citando o economista norteamericano Kalecki. Simplesmente os empresários não topam. Não toparam no passado e não topam hoje. É uma discussão de poder.

Assim, temos que primeiro garantir a normalidade democrática diante de um golpe de veludo em nosso país, para depois retomar a disputa de rumos do governo, buscando construir um modelo econômico diferente, com um estado forte, mas garantidor da iniciativa comunitária e não mais de grandes empresas.

Bem vindos à luta de classes.

Deixe um comentário

Arquivado em crise, Dilma, politica Nacional, PT

A História que estamos construindo

lapaA eleição nos mostrou que o PT não só cabe nas ruas, mas é de lá que ele vem. Somos frutos dos nosso passos, da nossas decisões e da nossa história. Nossa história é a história daqueles que lutam por uma vida melhor. Sempre foi, por mais tortos que sejam os nossos caminhos.

Nesse segundo turno a esquerda se uniu em torno da eleição da Dilma. São muito bem vindas(os) as(os) companheiras(os) de todas as organizações de esquerda, que fizeram ainda mais bonita a nossa vitória. Vieram também para trazer a rua de volta ao seio do Partido dos Trabalhadores. Estava em falta o suor, a risada, a bandeira hasteada. O vermelho.

Essa junção, essa energia, agora não pode ser desperdiçada. Esse período serviu para definir bem de que lado estão certas figuras da política nacional.

Agora, mais do que brigarmos entre nós mesmos, como sempre fizemos, é preciso mostrar a maturidade que soubemos exercer enfrentando os barões da mídia, as falcatruas, o jogo sujo. Não quer dizer que não jogamos o jogo também. Jogamos sabendo das regras, mas agora é preciso mudá-las.

Não é mais possível continuar impondo a mudança, caótica, desorganizada, mas mudança concreta na vida de milhões de pessoas, com essas regras, com esses aliados. É preciso novas regras para um novo jogo a ser jogado a partir da agora. É preciso saber quem está ao nosso lado.

O período promete.

E para enfrentar a promessa do próximo período, é preciso que nossos instrumentos, nossas armas estejam a postos. Nossos partidos não podem ser os mesmos partidos de ontem. Nossas palavras já não são as mesmas e precisam ser mais altas, mais claras e mais distantes.

Nossas vidas não cabem mais no senso comum. É preciso reinterpretá-las à luz dos novos atores, dos novos ares. Só nós podemos ser escritores de nossa própria história. Façamo-la juntos dos que sonham, dos que fazem arte, dos que desejam uma vida fora das amarras do mercado, que aprisiona mentes.

Deixe um comentário

Arquivado em Dilma, Eleição, politica Nacional, PT

A nossa história

Ato Dilma RioEstamos fazendo história. Melhor, estamos fazendo a história. Estamos construindo uma alternativa, mambembe, caótica, desorganizada, sem saber muito bem onde quer chegar, mas uma alternativa.

Enquanto outras histórias são feitas, costuradas nesse tecido, fomos capazes, talvez sem aquela ousadia que tanto sonhamos, sem o encantamento que queríamos, mas fomos capazes de fazer diferente. De encarar o monstro de frente e tentar fazer um país diferente dos demais.

Ousamos incluir pessoas que não existiam, num mundo que cada vez mais exclui pessoas das necessidades básicas. Ousamos tirar o país do mapa da fome, dar comida a quem sequer tinha condições de ficar de pé.

Ousamos dar educação, não aquela que sonhamos que poderíamos dar, a pessoas que não teriam nunca educação nenhuma. Ousamos permitir que o filho do pedreiro possa ser doutor.

Ousamos dizer que as riquezas dessa terra, desse mar, debaixo desse mar, são nossas. Ousamos dizer não aos poderosos de sempre, mesmo que alguns deles posem ao nosso lado nas fotografias. Sabemos que os rumos dos nossos sonhos estão em nossas mãos, embora muitas pedras hajam no caminho.

Ousamos sonhar com uma campanha militante, na rua, junto ao povo. Ousamos colocar no cargo mais alto da nação uma mulher. Uma mulher que, se não encarna os trejeitos dos grandes líderes, soube aos poucos se impor. Aprendeu a passar a simpatia, mesmo dura, séria.

Ousamos construir uma alternativa. E estamos construindo. Independentemente do resultado de logo mais, algumas coisas já ganhamos. O chão da rua, tão afastados de nós, é de novo nosso companheiro. As ruas foram pintadas de vermelho, na esperança de continuarmos avançando no nosso sonho de uma vida mais igual, plural, colorida e alegre. Avante, companheiros.

Deixe um comentário

Arquivado em Eleição, PT

A nova política é diferente

É impressionante que, em pleno século XXI, a gente ainda faça uma discussão política pré-eleitoral baseada em slogans e palavras de ordem vazias. A eleição parece uma competição para quem lança a palavra de ordem mais original, quem passa a imagem de ser melhor preparado e jogar melhor o jogo da marquetagem.

É impressionante também o tamanho da discussão em torno da religião. Gente, essa coisa de divisão da igreja e do Estado é antiga pacas, para usar uma expressão quase tão antiga.

Sei que há muito de emocional no voto, mas, dada a conjuntura internacional, não podemos mais nos dar esse direito. Digo isso, porque vivemos um período de extrema concentração de recursos no mundo todo. Não sou eu quem diz isso, é a ONU, aqui. Então num mundo que acabou (será?) de viver sob a hegemonia dos EUA a partir do que ficou conhecido por Consenso de Washington, parece, agora, apresentar alguma mudança a partir do início do século.

Por isso podemos afirmar que o que há de mais novo no cenário internacional não é o capitalismo verde, nem a terceira via européia, nem o movimento antiglobalização, ou a sua versão mais moderna, ou as primaveras, os Black blocs, os coletivos anarquistas etc. onde o indivíduo toma uma espaço gigante na construção de narrativas.

O que tem de mais novo na conjuntura internacional, e que é capaz de atormentar o centro do poder mundial é o que vemos hoje na América Latina, principalmente no Brasil. Não pensem que fazer o que se tem feito nessa região é fácil. Vai na contramão do status quo e mira a principal mazela do mundo globalizado: a exclusão de milhões de pessoas da vida quotidiana, desde a produção até o consumo, não só de supérfluos, mas do essencial à vida. Essa exclusão é necessária ao sistema para que se garanta os ganhos de quem manda.

Por mais que pareça pouco, eu realmente não quero retroceder nessas conquistas e muito me preocupa o próximo período.

Quero encarar o difícil desafio da mudança, com seus atropelos e avanços.  Não dá para ficar somente afirmando e reafirmando belas posições e belas palavras de ordem. Os desafios do nosso tempo são gigantes, assim como sempre foi a luta dos trabalhadores contra a exploração. Quero tê-los em meu horizonte e, principalmente, tê-los no milhões de quilômetros já percorridos dessa luta.

 

PS: o Azenha, com muito mais competência traça o panorama internacional e o papel da América do Sul nele a que me refiro, aqui

Deixe um comentário

Arquivado em Eleição, Política internacional

A nossa Copa

Maracanã final da copa das confederaçõesEnfim ela chegou. Bate a nossa porta a Copa. A nossa Copa. Parece que demorou muito. Anos. 64 anos, para falar a verdade. A Copa que muitas pessoas, que curtem futebol, sempre sonharam em acompanhar de perto. A Copa no sagrado solo da terra do futebol.

E a Copa no Brasil, como não podia deixar de ser, não será só a Copa do futebol, mas já é a Copa da discussão política.

Deveria ser a nossa chance de mostrar para o mundo como se joga, se torce e se organiza o futebol no país do futebol. Poderia ter sido. Claro que não foi. Mas está sendo um momento de crescimento da política do país.

E é essa a discussão que está nas esquinas, nas ruas, nos bares (além das figurinhas, é claro – faltam 23 ainda, alguém? álbum completo). A discussão é se a Copa é boa ou é ruim para o país. Ninguém discute se o Brasil deveria jogar com 2 ou 3 atacantes. Se o Ramirez deve ser titular, ou o que faz o Hulk na ponta direita.

Claro que a Copa trouxe problemas e também trouxe investimentos em infraestrutura.

A discussão, no fundo, não é sobre a Copa. E o que se está discutindo, então, usando a copa como pano de fundo?

Não é o investimento em educação ou saúde. Qualquer pessoa razoavelmente informada sabe que são coisas distintas e que os investimentos em estádio não tiraram um centavo da saúde e da educação. Além é claro do enorme retorno financeiro que o país terá depois da Copa.

Não é também se nós vamos ou não passar vergonha. O mundo conhece o Brasil. Não precisamos repetir essa falácia da imagem. A imagem do Brasil nunca foi tão boa lá fora. Mesmo que a Economist tente, depois de encher a nossa bola, esvaziá-la por termos enfrentado alguns (poucos) interesses do grande capital.

A questão é, então, a construção de cidadania. As ruas são parte disso, mas não o todo. Ser contra ou a favor da copa é uma posição política. Se muitas vezes essa é uma posição rasa, baseada simplesmente se você apoia ou não o Gov. Federal, outras podemos ver um debate sério, que pretende apontar problemas reais da sociedade e aponta saídas e soluções (não acho que todo o debate sério deve apontar soluções, necessariamente). É o caso das remoções, das obras superfaturadas, das imposições da Fifa, falta de planejamento em algumas coisas, para dar alguns exemplos.

Uma coisa que me irrita, às vezes, é gente achando que a Copa deveria ser a solução para as nossas mazelas todas. Ora, não vamos resolver os problemas estruturais de 500 anos de construção de um país em 7 anos de preparação para uma festa.

Pois é isso que a Copa é. Uma festa e um negócio. Muitas festas, dessas que a galerinha frequenta por aí são a mesma coisa, salvo as devidas proporções, é claro. Faz-se a festa, ganha-se dinheiro, uma galera se diverte. Isso traz problemas com o vizinho, com a polícia…

Então, vamos ter Copa e já tivemos um crescimento político. Uma nova postura da sociedade vai se construindo aproveitando a Copa. Claro que não é só por causa da Copa ou das Olimpíadas que essa vontade, esse desejo, é construído. Mas os grandes eventos, que mexem com a vida das cidades, aceleram esses processos. Essa é a nossa grande vitória. E por isso, o resultado do jogo de 13 de julho, quem vai levantar a taça ou quem será o melhor jogador da competição, não fará nenhuma diferença na vida política do país, embora possa deixar muita gente alegre ou triste com o futebol. Mas é só futebol, e a maior vitória, nós já conquistamos.

Somos um jovem democracia buscando seu marco civilizatório, com a vantagem de poder olhar para o mundo e poder apontar acertos e erros em outros modelos de civilização. Temos um longo caminho pela frente, com muitos percalços, mas já demos alguns passos.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano, politica Nacional, Sem-categoria

Mulheres

Deixe um comentário

Arquivado em comunicação, politica Nacional, PT