Arquivo da tag: crise

Capital financeiro e a economia real

Brad Pitt questiona os jovens investidores

Brad Pitt questiona os jovens investidores

Ben (Brad Pit) se vira para os dois jovens investidores de Wall Street, que dançavam empolgados pelo sucesso de sua aposta, mandando eles ficarem quietos e pergunta:

– Vocês sabem o que acabaram de fazer?

Atônitos, eles, que acabaram de realizar um grande negócio, não respondem.

Pit então complementa:

– Vocês acabaram de apostar contra a economia (norte) americana. Quando a bolsa cai 1%, 400 mil pessoas perdem o emprego. Muitas outras morrem. Então, parem de dançar.

O grande negócio, que ao final da história rende aos jovens investidores cerca de 80 milhões de dólares, era apostar que o sistema de hipotecas e dívidas ligadas ao mercado imobiliário dos EUA iria ruir. Isso mesmo. No jogo do capital financeiro você pode apostar que determinadas ações podem subir ou cair e, se alguém quiser bancar a aposta, você pode ganhar ou perder. Em cima dessas apostas, rolam outras apostas, criando o efeito pirâmide que todo mundo já ouviu falar.

O Filme “A grande aposta” conta essa história e um pouco dos bastidores da maior crise econômica pós 1930.

Existem outros filmes que contam um pouco dos bastidores de Wall Street e como essa aposta se tornou o pilar da economia mundial.

O livro “Flash Boys“, conta uma história de como a velocidade das negociações de ações se tornou fundamental no mundo dos negócios.

Essa história, acontece após a crise de 2008, contada no filme. Nessa crise, a maior dos últimos 70 anos, em que os ricos ficaram absurdamente mais ricos e os pobres perderam o pouco que tinham, somente uma pessoa foi presa, um programador russo que trabalhava no Goldman Sachs, acusado de evasão de códigos dos programas que operam as bolsas de valores. O detalhe sórdido: códigos que ele mesmo havia trabalhado anteriormente eram, em sua maioria, de código aberto.

No livro, Michel Lewis explica como a proximidade dos centros de operação, somado a softwares muito bem preparados e hardwares potentes, dava uma vantagem competitiva a determinados operadores das bolsas de forma que eles conseguiam intermediar uma transação sem que sequer o comprador percebesse. A diferença de centavos nos preços das ações gerava lucros absurdos a esses operadores e prejuízo aos pequenos investidores. Tudo, claro, com o consentimento dos grande bancos de Wall Street.

Muitos outros exemplos podem ser dados para explicar o (não) funcionamento do mundo financeiro. O problema da maioria, pelo menos os que vi ou li até agora, tratam essas questões como anomalias a serem resolvidas. Para mim, não são. Cada vez fica mais claro que a trapaça é a regra. O que vale é a informação. Você pode vender uma dívida, que não será paga. Você pode apostar numa aposta, e ganhar. E, finalmente, você pode apostar contra o sistema e ficar rico.

Ora, um sistema que depende da confiança, da informação privilegiada, que vive de boato, não poderia  ser a base da economia mundial contemporânea, mas é.

Deixe um comentário

Arquivado em crise, Sem-categoria

O governo dos Homens Bons

Há uma crença, uma certa verdade, na sociedade, de que bastariam “Homens Bons ” terem acesso ao poder, não importa bem como, se por eleições democrática, luta armada,  greve geral, golpe etc., que a vida seria diferente. O Estado, enfim, funcionaria, gerando oportunidade a todo mundo. As coisas não mudam, então, porque os “Homens Bons ” não chegaram ao poder.

E digo “Homens” porque, infelizmente, foram os homens e não esses junto com as mulheres que dominaram a política do século passado. Esses grandes homens, “Bons” acima de tudo, são idôneos e incorruptíveis. Devolvem a diária não usada. Se alguém embolsa a diária, é corrupto.

Ora, os governantes não vieram do Olimpo para governarem a terra. Estão imersos na mesma cultura dos demais. Daqueles que sonegam, que roubam, que não devolvem a diária, mas fazem dela parte dos seus ganhos. Afinal, isso é justo e corrupto são os outros (ironia).

A mudança da cultura é também a mudança das estruturas de poder. Esperar algo de seres iluminados acima do bem e do mal, está mais para religião do que para política.

Essa é a realidade de diversos países. As influências de forças (não tão) ocultas nos sistemas de poder, requer de nós, mais, bem mais do que “bons homens” para mudar a nossa realidade.

É o que diz o Lessig, que se lançou candidato a presidente dos EUA com a plataforma de proibir o financiamento privado.

O mesmo acontece aqui. A corrupção ligada ao sistema eleitoral impede que “bons governos”, comprometidos com causas sociais, ou até mesmo os regulares, preocupados antes com suas imagens, e por isso capazes de prover algum ganho para a população, façam algo para mudar a realidade de milhões de pessoas que passam por necessidades. Esse mecanismo é o financiamento privado de campanha, que está mais para investimento que as empresas fazem em candidatos que lhes garantirão benesses no futuro.

Porém, há uma parcela, muito maior, de perda dos recursos públicos, que não é comentada. Ou é pouco comentada.

https://www.facebook.com/plugins/video.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fgleisi.hoffmann%2Fvideos%2F484348658409059%2F&show_text=0&width=400

Bom, se dentro da parte ilícita do desvio da riqueza, a evasão fiscal em forma de sonegação representa 80% de tudo que o país perde, enquanto a corrupção responde por 20%, por que se fala tanto em corrupção e tão pouco em reforma tributária?

A resposta é poder. A mídia tem poder, não é o 4º, mas tem muito. Constrói a imagem, cria fatos, destrói reputações, ajuda na construção de valores. A justiça é um poder. O martelo que condena o ladrão de galinhas não condena o grande sonegador. As empresas têm poder, principalmente as multinacionais. O Capital Financeiro é um poder que pode paralisar uma nação no mundo ultraconectado e de economias dependentes da entrada de capital. É um jogo complexo.

Mas, muito mais nocivo que o dinheiro desviado diretamente de forma ilícita, é a riqueza que foge do seu objetivo de forma lícita. Isso acontece através de leis de propriedade intelectual, de contratos secretos, de acordos de livre comércio, como estão fazendo agora os países do pacífico. Há um caminho para a concentração cada vez maior de riquezas nas mãos de poucos. Esse caminho é legal e visível.

Assim funciona o Estado, aqui ou na China. Tá bom, na China a gente não sabe direito, mas sabe do mundo ocidental. E, em maior ou menor grau, isso ocorre nas chamadas democracias.

Quando há alguma incompatibilidade de quem está sentado(a) na cadeira de governante com esse sistema, mesmo que pontualmente, mesmo que não atinja o centro dessa política de acumulação, há a necessidade de afastá-lo(a).

Aí entra o discurso da corrupção e dos “Homens Bons ” capazes de promover o bem. O golpe do bem, então, está montado. Aproveita-se de uma fragilidade do governante para impor uma agenda capaz de sequestrar o Estado para manter o ganho daquela parcela que domina a máquina sem aparecer. É o comando central internacional do Estado de direito, digitalizado, operado à distância.

O perigo é maior de um golpe sem derrubada de governo e estamos vivendo isso agora, nesse exato momento no Brasil e no restante da América Latina. É o golpe feito através de chantagem, do aproveitamento de fraquezas do governo, da correlação de forças desfavorável no congresso e de um judiciário pernicioso, da crise econômica, que baixa o preço das commodities que garantem, com muitos problemas, a entrada de recursos em países periféricos como os da AL . Isso sem falar de uma imprensa suja, diretamente envolvida com os grandes grupos do capital, os famosos anunciantes e seus interesses.

Mas o que quer esse golpe?

O golpe quer a manutenção da situação tributária, fiscal e econômica que, mesmo com os grandes avanços nos índices de desigualdade da última década, privilegia uma parcela, bem pequena, da sociedade que continua acumulando muito, muito, dinheiro.

Mas só a corrupção é assunto, afinal, bastam “Homens Bons” tomarem (ou retomarem) o poder, que estaremos salvos.

Deixe um comentário

Arquivado em crise, Dilma, golpismo, Política internacional, politica Nacional, Sem-categoria

Assaltantes de lojinhas do mundo, uni-vos!

por Slavoj Zižek, London Review of Books, vol. 33, n, 16

Tradução do Coletivo da Vila Vudu

A repetição, segundo Hegel, tem papel crucial na história: se alguma coisa acontece uma única vez, pode ser descartada como acidente, algo que poderia ter sido evitado se a situação tivesse sido conduzida de modo diferente; mas quando um mesmo evento repete-se, é sinal de que está em curso um processo histórico mais profundo. Quando Napoleão foi derrotado em Leipzig em 1813, pareceu má sorte; quando foi derrotado outra vez em Waterloo, ficou claro que seu tempo acabara. Vale o mesmo para a continuada crise financeira. Setembro de 2008 foi apresentado como anomalia que podia ser corrigida com melhores regulações e controles; hoje se acumulam sinais de quebradeira nas finanças e já é evidente que estamos lidando com fenômeno estrutural.

Dizem e repetem e repetem que atravessamos uma crise da dívida e que todos temos de partilhar a carga e apertar os cintos. Todos, exceto os (muito) ricos. Aumentar impostos sobre muito ricos é tabu: se se fizer isso, diz o mesmo argumento, os ricos não terão incentivo para investir, haverá menos empregos e todos sofreremos mais. A única salvação, nesses tempos duros, é os pobres ficarem cada vez mais pobres e os ricos cada vez mais ricos. O que devem fazer os pobres? O que podem fazer? Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em crise, Política internacional

De volta

Quando criei esse blog, há tempos atrás, foi uma tentariva de poder construir alternativas de comunicação. As redes de informação na Internet são poderosas armas que podemos usar na luta por hegemonia na sociedade.

É claro que esse blog não se propõe a ser um blog puramente politico. Pretendo colocar aqui tudo o que eu observar sobre a vida, filmes, textos, videos, observações sobre mídia digital, cultura, ações políticas. Nesse momento, acredito, o mais interessante é começar indicando textos que falam da crise econômica. Ao que parece superada em nosso país.

Cabe ressaltar que não penso esse espaço como mais um para defender o Governo Lula e sua sucessão. Mas certamente esse tema aparecerá com certa frequência, por motivos óbvios.

O texto que eu indico, foi lido na Carta Maior, é sobre como foram erradas as previsões dos “especialistas” a respeito das consequências da crise em nosso país e como a impressa comercial tratou o assunto. Segue o link.

Deixe um comentário

Arquivado em crise