Mais vida, menos mercado

Mais uma criança foi morta essa semana, numa “ação policial” em uma favela no Rio de Janeiro. Não é uma estatística, era uma pessoa. Era uma filha, amiga. Essa pessoas, adultos, crianças, jovens, morrem porque suas vidas não valem nada, ou quase nada. Não é o Estado que é assassino. Não há a esperança de que “homens bons” possam tomar o Estado e mudar nossas vidas, enquanto tocamos a vida cotidiana. É a forma de produção. A forma como consumimos e produzimos que destrói a terra em que moramos, cria necessidades e acaba com vidas. É para manter uma parcela pequena no admirável mundo novo que a maioria tem que viver nos lixões. Urge discutir uma nova vida, que passará pelas pessoas, primeiro, depois pelo que pode organizar e/ou defender as pessoas (o Estado) e só depois o mercado. Isso não virá de um punhado de iluminados, mas sim de toda uma organização da sociedade em torno das suas próprias vidas.
 
E assim caminha a humanidade.
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano, Sem-categoria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s