Das ruas, dos palácios e da rede

Escrevi isso no calor das manifestações de junho. Queria dar a minha opinião. Mas não consegui dar a forma (e talvez nem o conteúdo) que queria.

Já tinha escrito que o motivo das movimentações das multidões ao redor do mundo era por conta da crise econômica, após um grande ciclo neoliberal que criou uma grande exclusão. As manifestações de junho no Brasil desmentem essa análise.

Enfim, vamos ao texto (iniciado em 22 de junho):

As ruas foram tomadas nesse últimos dias. Foi o preço da passagem, a centelha que faltava. Havia um sentimento, adormecido de que era preciso sair às ruas para dizer o que pensamos. E lá se foi a população brasileira, ou parte dela, para as ruas.

Ao contrário do que vive a Europa, com sua crise econômica, ou os países do mundo árabe, com suas ditaduras, a América Latina vive um período de expansão econômica. O que não justificaria uma luta por direitos. Não igual àquela luta dos excluídos do maravilhoso mundo do consumo. Não. Aqui, mais e mais pessoas foram incluídas nesse mundo. Então, por que foram às ruas protestar? Como fizeram isso, e como fizeram tão rápido?

A luta, que começa com manifestações por conta do aumento da passagem em SP, rapidamente começou a ser disputada por várias correntes, linhas e organizações de todo o espectro político nacional. Ganhou as manchetes e alguns bons minutos na TV aberta  e pronto. Virou um movimento, em parte, apoiado pela velha mídia. Ela via nisso uma oportunidade de desgaste (ou até mais) do governo.

Em 1968 as pessoas resolveram sonhar que era possível mudar o mundo por fora das rígidas estruturas partidárias da época. Se não mudaram o mundo, nem as estruturas partidárias da época, lançaram sementes que floresceram anos mais tarde. Não mudaram o mundo, mas mudaram tudo.

O PT é um bom exemplo disso. A partir de outras lutas, contra a ditadura, conseguiu-se montar um partido, que pudesse organizar a classe trabalhadora, mas com uma nova forma de organização. O PT era organizado, e foi construído, a partir de núcleos de base. Rompia então com a extrema verticalização dos partido comunistas e trazia para o centro do debate novos temas como a igualdade entre gêneros, racial, respeito a diversidade sexual etc., que já vinham sendo debatidos no período anterior a sua construção.

Assim, agregando novos valores à velhas utopias o partido cresceu. Com tropeços, conquistou parcelas da população que antes não o ouvia. Perdeu outras por não ouvir e não se fazer ouvir. Não havia mais diálogo entre as partes, pois essa relação só é mediada pela velha mídia.

Claro que nosso velho inimigo (o capital, com o seu velho aparato ideológico) não podia deixar barato. Alimentou o ódio entre as partes o quanto pode. Se deu certo por um lado, por outro a velha mídia, principalmente a globo, paga seu preço. Caro, e talvez  fatal.

É fácil perceber, em qualquer lugar, a capacidade da velha mídia em pautar o debate. Debate esse que ela nem sempre ganha, não mais consegue impor as suas opiniões, mas ainda diz sobre o que é preciso ter opinião. É só ver as votações do congresso nacional logo após a onda de manifestações.

Então se não é mais uma disputa entre as velhas organizações de esquerda e a velha mídia pelos corações e mentes da população, qual é a disputa?

Anúncios

Deixe um comentário

23/08/2013 · 16:32

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s